Gerenciamento de projetos e inovação. O quê uma coisa tem a ver com a outra?

Post escrito por: Roberto Simoes

gerenciamento de projetos

Categoria: Gestão Ágil

Se considerarmos a concorrência frenética e a grande similaridade entre produtos e serviços atualmente, podemos afirmar, com pouca margem de erro, que o desenvolvimento de inovação será a principal alternativa para criação de diferenciais competitivos nos próximos anos. Bom, mas o que isso tem a ver com gerenciamento de projetos? Praticamente tudo.

Projetos são conduzidos para desenvolvimento de novos produtos e serviços, redesenho de processos, implantação de sistemas, construção de uma nova planta industrial, organização de eventos, lançamento de uma campanha de marketing, entre diversas outras finalidades.

Além disso, projetos são conduzidos para realizar ajustes e responder a mudanças de mercado, de forma a garantir o cumprimento de metas e objetivos de negócio das empresas.

Sendo assim, podemos afirmar que projetos são fundamentais para a execução da estratégia corporativa e, consequentemente, alcance dos resultados esperados em determinado período.

Existem ainda as empresas “projetizadas”, aquelas onde projetos são executados para entrega de produtos e serviços. Neste caso, projetos são críticos, uma vez que afetam diretamente a percepção de valor do cliente final.

Embora de grande importância, projetos ainda são vistos por muitos como eventos esporádicos ou iniciativas isoladas, que são realizados somente para tratar exceções.

Provavelmente, há 15 ou 20 anos atrás, essa visão não estaria totalmente incorreta. Em pleno século 21, com globalização, mercados altamente instáveis e grande incerteza, a exceção virou regra.

É praticamente impossível traçar um plano sem ter que mudá-lo no dia seguinte. Nenhuma estratégia consegue ser executada sem uma série de ajustes ao longo do caminho.

Quando acrescentamos à equação fatores de ruptura como Internet e novos perfis e hábitos dos consumidores, qualquer tentativa de conduzir projetos baseados em planejamentos (e cronogramas) de longo prazo, é mero exercício de especulação com o futuro.

Se a exceção virou regra, projetos são ainda mais importantes nos dias de hoje, certo? Exato! Mas não é só isso. Como já foi dito, projetos atualmente são conduzidos em ambientes instáveis e de grande incerteza, o que inviabiliza a definição prévia de todos os requisitos necessários para construção e entrega do resultado esperado.

Se eu não sei exatamente tudo o que precisa ser feito e/ou existe uma grande possibilidade de mudança durante a execução do projeto, como então vou planejá-lo? Bem, é justamente neste ponto que adicionamos métodos ágeis de gestão à nossa equação.

Abordagens ágeis de gestão foram concebidas com o propósito de enfrentar situações totalmente inversas, onde a expectativa de mudança é muito grande e não é possível detalhar previamente tudo o que deve ser feito em um projeto.

Utilizar métodos tradicionais de gerenciamento nesses casos é assumir que será gasto mais tempo na atualização de controles (planos e cronogramas), do que na gestão do trabalho a ser realizado.

Outra abordagem que também não traz bons resultados é tentar “congelar” o escopo do projeto (uma verdadeira obsessão quando utilizamos métodos tradicionais).

Quando escolhemos essa alternativa, o que acaba acontecendo, na maioria das vezes, é que ao final do projeto entregamos produtos que não agregam o valor esperado pelos clientes.

Dessa forma, para sobreviver e prosperar nos dias atuais, precisamos de uma nova abordagem para condução de projetos, que assegure agilidade, flexibilidade e simplicidade para tratar o grande volume de mudanças e incertezas que seguramente iremos enfrentar.

Além disso, temos que assegurar a satisfação das necessidades e expectativas do cliente final através da entrega contínua de valor, materializada por produtos ou soluções inovadoras.

E por que inovação deve ser um componente essencial do produto a ser gerado pelo projeto? Porque em um mercado onde produtos e serviços estão cada vez mais parecidos, inclusive em termos de preço, a inovação passa a representar a principal fonte de diferenciação competitiva das empresas.

Mas para alcançar esse resultado, temos que assegurar a execução de três ações fundamentais:

  • Aproveitar ao máximo o potencial de inteligência coletiva que existe nas equipes de projeto;
  • Utilizar práticas de gestão que favoreçam a incorporação de novas ideias, mesmo em etapas avançadas do projeto;
  • Contar com a colaboração efetiva do cliente, durante todo o ciclo de desenvolvimento do produto.

Quando adotamos práticas ágeis de gestão, aumentamos significativamente as possibilidades de sucesso dos projetos. Isso ocorre devido às seguintes características e forma de aplicação de suas práticas:

Equipes ágeis trabalham juntas durante todo o ciclo de execução do projeto. Os integrantes das equipes de projeto são responsáveis pela entrega do produto e não apenas pela execução de tarefas. Essas equipes são auto-organizadas e possuem autonomia para propor a melhor forma de satisfazer as necessidades do cliente. Por serem multifuncionais (formadas com as competências necessárias para produção e entrega do produto) e trabalharem em ambientes de grande interação, apresentam potencial elevado para o desenvolvimento de soluções inovadoras.

O processo ágil oferece a flexibilidade necessária para o tratamento de mudanças, inclusive em etapas mais avançadas do projeto. Essa capacidade aumenta as possibilidades de satisfação das necessidades do cliente final, mesmo em cenários de grande incerteza, além de ampliar o período de identificação e proposição de novas idéias, alavancando o potencial de inovação a ser incorporada ao produto final.

Nos projetos ágeis, o cliente (e demais usuários-chave), trabalham de forma colaborativa com os integrantes da equipe. Essa característica permite ao cliente avaliar alternativas e validar “partes” do produto final, periodicamente. Com a redução dos ciclos de feedback, a identificação e realização de ajustes é facilitada e o risco de insatisfação do cliente com relação ao produto final é reduzido significativamente.

    Deixe o seu comentário